segunda-feira, 10 de junho de 2013

50 anos do Grupo Senzala - "Muita malemolência, ginga de corpo, aprendizado de vida e recomeços."









Três irmãos de origem baiana que treinavam Capoeira no terraço de um prédio em Laranjeiras, assim começa essa história. Paulo, Rafael e Gilberto Flores passavam sempre as férias de verão em Salvador e resolveram se matricular na academia de Mestre Bimba. Após três meses de aulas e de volta ao Rio de Janeiro, os três irmãos continuaram seus treinamentos aos sábados no prédio onde moravam. Fernando (Mestre Gato) chegou logo depois. Só conhecia capoeira dos livros, mas já se sentia atraído por ela, até que um dia viu Paulo resolver uma briga com um golpe de Capoeira. Dali surgiu o convite para fazer parte da turma do terraço. Como não havia a figura de um mestre, Paulo e Rafael acabavam sendo a liderança da turma.


Os treinos semanais não eram os únicos, "Eu pessoalmente, conheci um baiano formado do Mestre Bimba, meu colega de colégio, e dei alguns treinos com ele. Em Ipanema, onde eu morava, havia alguns alunos da capoeira de Sinhozinho e a gente trocava umas pernadas de vez em quando.", conta Mestre Gato.

O aprendizado do Grupo Senzala também se dava em visitas aos Mestres do Rio de Janeiro, como Mestre Artur Emídio, Mestre Leopoldina, que chegou inclusive a participar de algumas apresentações com o Grupo Senzala. Com Mestre Valdo Santana foram muitas apresentações e rodas, que ele fazia em sua academia de luta livre na Cinelândia. Mestre Roque que ensinava no Morro do Pavãozinho também foi uma grande influência.
Rafael, Peixinho, Claudio Danadinho, Borracha e Mosquito ainda  treinavam com Mestre Bimba nas férias de verão e frequentavam as rodas de Mestre Valdemar e Mestre Traíra. O retorno ao Rio de Janeiro era cheio de novidades, "Na volta a gente discutia os treinamentos, a maneira de jogar e fazíamos experiências, criando formas de treinamento.", recorda.



O nome "Senzala" e o Torneio Berimbau de Ouro

O nome  surgiu por sugestão do Paulo e aprovado por unanimidade, "Foi em 1965 ou 1966, tínhamos uma exibição para fazer no Clube Germânico e a gente estava conversando na casa do Rafael e ele disse que a gente ia precisar de um nome para ser apresentado.", lembra o mestre.
Mas o registro do grupo aconteceu em 1967, por ocasião do Torneio Berimbau de Ouro. O evento foi organizado pelo Clube dos Amigos do Folclore e era realizado na Feira da Providência. O torneio era aberto a todos os grupos e associações do Rio de Janeiro. Os grupos se apresentavam por 10 ou 15 minutos e uma dupla jogava por mais 5 minutos, sendo em seguida julgados por uma comissão de jurados que dava notas para cada apresentação. O troféu era conquistado pela equipe que primeiro vencesse por 3 vezes consecutivas ou 5 vezes alternadas, "Nós vencemos por 3 vezes, em 1967, 1968 e 1969, conquistando assim o Berimbau de Ouro. Nas duas primeiras vezes a dupla foi o Preguiça e eu. Em 1969, os organizadores disseram que nós éramos considerados professores e outra dupla nos representou, o Borracha e o finado Mosquito, vencendo também.", comenta Mestre Gato. 

Do Rio de Janeiro para o mundo

A expansão do Grupo para outros países aconteceu com a ida do Nestor Capoeira, na época corda vermelha do Grupo Senzala, para a Europa. Mestres Peixinho, Toni Vargas, Garrincha e Sorriso resolveram então passar uma temporada na Europa e ajudaram a organizar o 1º Encontro Europeu de Capoeiragem no ano de 1987. Mestre Gato embarcou para a Europa em 1989 e durante o ano que ficou na Inglaterra criou  o seu grupo de capoeiristas, sempre encorajados a virem ao Brasil vivenciar a Capoeira e a vida no nosso país. Nos anos de 1990 os Mestres do Grupo Senzala lideraram seminários e encontros no Brasil, Europa e Estados Unidos.
Apesar da grande influência da Capoeira Regional, Mestre Gato é enfático quando comenta a incorporação da Capoeira Angola de Salvador e da Capoeira Carioca, o que na opinião dele impossibilita uma definição entre Angola e Regional.
Mestre Gato conta que no início não havia um método estruturado de ensino aqui no Rio de Janeiro, " Começamos a seguir o método da Regional, incorporando outros treinamentos para jogo baixo, algumas sequências de treinamento, treinamento simultâneo da ginga e movimentos de capoeira, formando um conjunto de treinamentos e didática que influenciou muitas escolas de capoeira.", explicou.

Curiosidades



Uma das curiosidades sobre o Grupo Senzala é a organização do Grupo, que além de ser descentralizada, permite diferentes símbolos. Mas a coisa é muito mais organizada do que parece. O conselho é formado por   três diferentes grupos de corda vermelha, o primeiro formado pelos fundadores, mestres mais antigos que já estavam no Grupo na época do Torneio Berimbau de Ouro. Um segundo conselho de cordas vermelhas formados até 1990 e o terceiro composto pelos demais cordas vermelhas. Para um novo corda vermelha ser formado os três conselhos precisam aprovar a indicação. O novo corda vermelha continua ligado ao Mestre que propôs seu nome e utiliza, na maioria das
vezes, o mesmo símbolo.
 Atualmente são 38 cordas vermelhas: Paulo Flores, Claudio Danadinho, Gato, Gil Velho, Garrincha, Sorriso, Itamar, Toni Vargas, Ramos, Elias, Beto, Feijão, Samara, Arruda,  Rui, Bruzzi, Grilo, Abutre, Irandir, Lobinho, Torneiro, Jacaré, Malzibier, Deco, Pedro, Pulmão, Pelé, Steen, Flavio Caranguejo, Zumbi, Michel, Tida, Luis Claudio, Tarcisio, Igor, Chão, Rodriguinho e Chiquinho. 
Rafael Flores mantém um trabalho em Santa Luzia do Norte, mas trabalha de forma independente do grupo. Há dois anos Mestre Peixinho faleceu, o que para Mestre Gato representou uma grande perda para o Grupo Senzala, uma lacuna, mas que se ameniza pelo trabalho que ele construiu e o legado que deixou através dos mestres formados por ele. 
Na visão de Mestre Gato o que mudou nesses 50 anos foi a estrutura profissional com a qual o grupo se configura hoje. A maior parte dos Mestres e professores vive exclusivamente do ensino da Capoeira. Para Mestre Gato os 50 anos se resumem em "Muita malemolência, ginga de corpo, aprendizado de vida e recomeços.", ele acredita que a receita para se manter um grupo unido por tantos anos está no ambiente democrático que o Grupo Senzala sempre teve e também na humildade.
As comemorações já começaram, mas ainda dá tempo de festejar junto com o Grupo Senzala. As rodas e aulas abertas ao público serão realizadas em pontos culturais da Cidade do Rio de Janeiro, berço do
Grupo Senzala. A próxima será no dia 22 de Junho no Centro Silva e Sá, tendo início às 16hs.

De 17 a 21 de Julho a Cidade Maravilhosa recebe o evento principal.
Para saber mais sobre a programação, acesse o site comemorativo.


Fotos: Internet







3 comentários:

  1. Salve Mestre Amendoim, formado Pelo Mestre Peixinho, Fundador do grupo Senzala em Brasilia, e com trabalho em diversos estados brasileiros e assim como em diversos países!!
    Quem conhece o grupo Senzala, sabe da importância desse grande Mestre, que por motivos de politica mercenária do grupo,resolver afastar do centro cultural $$$$$$$$

    ResponderExcluir
  2. Olá, Maíra. Parabéns pelo texto, venho certo tempo procurando sobre o histórico do Grupo Senzala na internet e os resultados tem sido na maioria pífios. Sua postagem até agora foi mais elucidativa que encontrei. No entanto, há algumas dúvidas acerca principalmente do comentário acima. Por exemplo, no meu Estado - Acre, há a presença muito forte do Grupo Senzala no comando do Mestre Amendoim, gostaria de compreender esse processo e por que o Mestre Amendoim não aparece nas citações do Grupo. A outra dúvida é quanto ao Conselho de Mestres; Pelo entendimento são ao todo três Conselhos? Há algo registrado, como atas, coisas do gênero acerca desses Conselhos? Ficaria muitíssimo grato se você ajudasse nessa compreensão histórica que está intimamente interligada com a Capoeira. Grande e afetuoso abraço, Ádamo Gabriel.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Ádamo. Muito obrigada pelos elogios. Lembrando que esse texto foi construído através da narrativa do Mestre Gato. Ele falou basicamente do processo histórico que o Senzala passou até chegar os dias de hj. Acredito que seja praticamente impossível falar individualmente de cada corda vermelha dentro desse processo.
      Confesso que não conheço o Mestre Amendoim, vou ficar te devendo essas informações.
      A questão dos conselhos, sim, são 3 conselhos, mas não tenho conhecimento sobre a existência de registros. Mas posso procurar me informar sobre as suas dúvidas.
      Agradeço a visita e espero que você volte sempre para acompanhar as postagens aqui do Blog.
      Abs.

      Excluir

O que você acha sobre isso?

Você pode gostar